Presente do meu amor

"O valor das coisas não está no tempo em que elas duram, mas na intensidade com que acontecem. Por isso existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis." Fernando Pessoa

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Lição de amor

Ele queria acordar mais tarde hoje, não ter tantas obrigações, que fosse por um dia apenas. Mas sabe que isso não é possível, sua missão é árdua, afinal são três bocas para alimentar. A jornada se inicia cedo, tem que preparar o café da manhã das crianças antes de acordá-las, deixar tudo em ordem, aí então é aquela luta para tirá-las da cama, trocar de roupa, escovar os dentes, tomar café, se preparar em tempo de ir para a escola no horário.

Ele chega a pensar alto:

- Não sei até quando vou agüentar!

Nem percebeu que a pequena Ana estava acordada e observando o esforço paternal. Nesse momento ela vai até o pai, pega na mão dele e de um jeito que só a inocência de uma criança de 5 anos permite, diz:

- Eu vou te ajudar, papai.

Esse homem até então de feições ríspidas, com aquele ar cansado, abre um sorriso. Ele que nem lembrava mais o que era sorrir, riu gostoso daquilo. Por um instante esqueceu de tudo, dos trabalhos, da responsabilidade, do horário da escola. Nesse momento ele só queria aproveitar a vida, ficar com os filhos, ser pai de verdade, poder abraçá-los e contar estórias. Sentiu saudades da esposa, por que morreu tão jovem? Sem poder ver os filhos crescerem? Mas nada iria entristecer esse homem agora, ele redescobriu o que era a felicidade.

E como uma tempestade de verão que precipita de repente assim foi o choro dele, forte. A pequena Ana então se surpreende, nunca tinha visto o pai esboçar qualquer emoção, e o abraça com força e diz:

- Num chora não, papai, tudo sempre vai dar certo. A mamãe sempre ajuda a gente lá do céu.

Esse homem então pega a filha no colo, não como estava acostumado por obrigação de levá-la em algum lugar, mas para simplesmente dar carinho a ela e vê que de nada adianta só fazer o necessário para os filhos, ele tem que ter essa troca de carinho. E isso o transforma.

Ele então decide que hoje não vai trabalhar, as crianças não irão à escola e que hoje ele vai aproveitar o dia com seus filhos. Um passeio no parque, uma brincadeira na rua ou simplesmente ficar em casa contando estórias e fazendo brincadeiras.

Ele sabe que isso vai ter um custo, vai ser o desconto do dia que não vai trabalhar, um passeio como esse tem um gasto que ele sabe que o orçamento vai ficar apertado, mas isso não o preocupa. Que ele tenha que fazer mais algum bico para compensar esse gasto, os filhos dele têm o direito de ter um momento de prazer, de receber um pouco de carinho.

Como tudo que faz, mais uma vez não é por ele, faz isso pelos filhos. Mas dessa vez quer fazer certo, não é só alimentar e cuidar, ele quer que os filhos aproveitem um pouco. E com isso não percebe que ele é quem vai mais aproveitar esse momento, que os filhos precisam de um momento com o pai bem como o pai precisa de um momento desse, de paz e de amor.

E pensar que toda essa revolução começou com um simples pensamento, que sem querer escapou pela boca, que ele tanto censurou quando viu sua caçula olhando para ele. Realmente, algumas vezes temos de mudar radicalmente o rumo de nossa vida, sermos um pouco inconseqüentes.

Em um futuro não muito distante esse homem verá que esse dia fez muita diferença. Seus filhos aprenderam com o pai o que é amor e carinho, e por isso não caíram no mundo da marginalidade, se dedicaram aos estudos e são ótimos profissionais, cada qual em sua área. O próprio pai passou a se valorizar mais, quis estudar para conseguir empregos melhores e assim poder oferecer mais aos seus filhos, como realmente conseguiu.

E disso tudo ficou uma lição para todos e algo que eles nunca mudam, uma vez por semana eles se reúnem e passam o dia juntos, esquecendo de seus problemas e preocupações, sendo somente uma família.

3 comentários:

A Lobba! disse...

Uhuuuuuuuu!!!Lindo!!!já fiz isto mais de uma vez!!E sempre valeu a pena!!Principalmente quando o dia finda e aquela carinha linda te olha nos olhos e diz:"Mãe, já te disse que te amo muito?"
Nada paga esse momento!!
Linda história!!
PS: Foi um alivio saber-te não triste comigo...ODEIO magoar as pessoas!!
Lambidas da lobba!!

Deeh! * disse...

Essa história de fato é para arrancar lágrimas.
Eu mesma, passo por uma situação semelhante, mas os papéis mudam, ao invés da mãe ser a falecida, infelizmente no meu caso, foi o meu esposo, e de nossa união tivemos um casal de filhos lindos que, têm me sido a base e o meu suporte em todos esses momentos.
E de fato, não há nada melhor do que passar um bom dia "desperdiçando" horas de trabalho, estudo, ou seja o que for, para lhes dar a sensação de saber que são eles que são as coisas mais preciosas e que nos impulssionam sempre para frente.
Lindo texto, parabéns!

A Flor do Sul disse...

Os filhos são parte da carne e da alma de quem os tem.
Ás vezes, penso em casar e em ter filhos, em dar tudo de mim para ver a felicidade deles e fazer eles crescerem partilhando os ideais utópicos e sentimentais que tenho, mas aí eu penso: E se eles forem rebeldes...
Como eu fui com minha mãe? E se eles saírem de casa como eu saí e nunca mais voltarem, exatamente como eu fiz?